Mini-entrevista com a Marilia Pirillo!

[ Marilia Pirillo, direto do Rio de Janeiro: cidade das mil e uma maravilhas!]

A última mini-entrevista de 2011 é com a escritora e ilustradora Marilia Pirillo, direto do Rio de Janeiro. Eu não a conheço pessoalmente, apenas pela internet e por suas lindas ilustrações. Ela também participou da antologia Era uma vez para sempre , da Editora Terracota.

O que levou você a se dedicar aos livros infantojuvenis?

MP: Tenho lembrança de quando muito pequena ficar encantada com as ilustrações dos poucos livros que chegavam às minhas mãos. Ficava observando por longos períodos os detalhes, as cores, a luz. Ficava tentando descobrir com que material mágico e misterioso alguém podia desenhar daquela maneira. Pensava que, com certeza, não era com as mesmas canetinhas e lápis de cor que eu tinha no meu estojo. Fui crescendo, descobrindo novos materiais e livros. Li muito, comecei a escrever e, aos poucos, percebi que contar histórias era o que me motivava, através de imagens ou/e de palavras. O desejo de despertar esse mesmo  encantamento nos leitores é o que me move. A minha escolha pelos livros infantojuvenis se deve a minha crença de que eles podem ser pequenos portais mágicos para crianças e jovens se encantarem.

Em sua infância, quais os autores e artistas plásticos de que você mais gostava e quais os que mais a inspiraram?

MP: Tive poucos livros em casa, cresci assistindo a tevê, desenhos animados e muito Sítio do Pica Pau Amarelo. Tinha também a minha vitrolinha, onde ouvia repetidas e incansáveis vezes, até saber de cor, minha “Coleção Disquinho” com adaptações dos clássicos, músicas compostas e adaptadas por João de Barro e orquestradas por Radamés Gnattali. Na escola lembro de ler Mário Quintana (que eu amo!), Érico Veríssimo e Sérgio Caparelli, entre outros autores gaúchos. Enfim minha inspiração foi e ainda é multimídia.

Qual a sua opinião, como escritora e ilustradora, sobre a literatura infantojuvenil contemporânea?

MP: Outro dia assisti a uma reportagem sobre o stress que o bombardeio de informação vem trazendo para as pessoas. Na frente do computador nos afogamos em informação ao navegar pela rede. Um estudioso do assunto afirma que uma pessoa precisaria de seis anos para ler tudo que é publicado na internet em apenas um dia!  Na literatura infantil e juvenil o panorama não é muito diferente, a quantidade de livros publicados por ano é imensa! Vejo livros com recursos gráficos impensáveis há alguns anos, vejo novos escritores e ilustradores podendo publicar, inclusive de maneira independente, com muito mais facilidade. Vejo um mar de livros saindo das gráficas mensalmente. Acompanhar os lançamentos e ler essa quantidade de novos títulos se tornou impossível até mesmo para quem trabalha com LIJ. Assim, infelizmente, muitos bons livros passam despercebidos, pulverizados no meio de tantos outros. São livros excelentes que muitas vezes não passam da primeira edição, mal vendem 2.000 ou 3.000 exemplares. Vejo pais, professores e leitores perdidos nesse turbilhão, sem muitos parâmetros para escolher livros. Muitas vezes, seduzidos pela mídia, por temáticas ou por imagens, acabam adquirindo livros de pouca ou nenhuma qualidade literária. É a predominância da quantidade acima da qualidade. Será que essa enxurrada de livros forma leitores? Será que a literatura se tornou gênero de consumo rápido como o fast food? Será que nessa maré os livros de papel desaparecerão? Tenho mais perguntas do que respostas…

Você acha que há preconceito contra a literatura infantojuvenil, que as pessoas consideram a literatura adulta superior?

MP: Acho que as pessoas consideram a literatura adulta mais elaborada e se enganam ao pensar que escrever para crianças é mais fácil do que escrever para adultos. No meu entender escrever para adultos e para crianças é algo bastante diferente, mas igualmente difícil se você deseja fazer literatura de qualidade.

Para você, que também é autora, as pessoas andam lendo e escrevendo mais e melhor, nestes tempos de internet?

MP: Cerca de apenas 35% da população na América Latina tem acesso à internet, enquanto na América do Norte ela é usada por 75% da população, na África apenas 10% da população tem acesso às redes, ou seja, não estamos falando de algo consolidado, mas de algo ainda em processo. Eu tenho a impressão de que as pessoas que tem acesso à internet, talvez estejam lendo e escrevendo mais, mas não acredito que estejam lendo e escrevendo melhor. Acho que a escrita e a leitura na internet exigem rapidez, mas pouca profundidade.

Sobre a autora:

Nasci, cresci, estudei, casei e tive duas filhas em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Há cerca de oito anos mudei para o Rio de Janeiro, onde vivo atualmente. Me formei em Publicidade e Propaganda e durante cinco anos tive um estúdio, chamado Laboratório de Desenhos, onde trabalhei criando ilustrações para diversos materiais publicitários, informativos, educacionais e editoriais. Hoje me dedico exclusivamente à ilustração e a escrita de livros para crianças e jovens. Já ilustrei mais de trinta livros infantis e tenho cinco livros publicados com minhas histórias: Baratinada, minha estréia na literatura juvenil, O Menino do Capuz Vermelho, Bonifácio, o porquinho, Bagunça e Arrumação e o recém lançado Um fio de amizade. Para saber mais visite meu blog Garatujas e Divagações.

Mantém o blogue Garatujas e Divagações: http://www.mariliapirillo.com

Aproveito para agradecer a todos os escritores, ilustradores, contadores de histórias, editores e profissionais da área de literatura infantojuvenil que gentilmente participaram das mini-entrevistas. Comecei no Cronopinhos em 2005, quando publiquei o meu primeiro livro em coautoria com o Luiz Bras, Bia olhos azuis, Editora Alaúde. Depois dei uma desacelerada, mas neste ano retomei as entrevistas com mais fôlego, rs. Meus agradecimentos, e desejo de coração: um ótimo Natal para todos, e um 2012 com muitos livros e mini-entrevistas para humanos e mini-humanos, rs! Arigatô, kanpai e gambarê!

Lançamento 2013!  Homenagem ao poeta Manoel de Barros.

CONVITEVIRTUAL_LANCAMENLITERATURA_FINAL

Outros livros:

60ContosDiminutos

• 60 Contos Diminutos – Editora Gaivota, 2012
• Um fio de amizade – Editora LaFonte, 2011
• O Menino do Capuz Vermelho – Editora Prumo, 2010
• Bagunça e Arrumação – Editora Prumo, 2009
• Bonifácio, o porquinho – Editora WMF Martins Fontes, 2009
• Baratinada – Editora Biruta, 2008
• Alguns segredos e outras histórias – coletânea de contos para jovens – Editora Larousse, 2008
• Quando tudo acontece de repente – coletânea de contos para jovens – coleção Entretempos – Editora Larousse, 2008

marilia pirilo 2

Anúncios

2 pensamentos sobre “Mini-entrevista com a Marilia Pirillo!

  1. Tereza, querida,
    adorei essa entrevista com a Marilia! Eu a conheci recentemente, na Feira do Livro de Porto Alegre. Ela é ótima!
    Parabéns por todas as entrevistas que você tem feito, há tanto tempo. E obrigada pela oportunidade de participar.
    Aproveito para desejar a você, ao Nelson e à Érica um abençoado Natal e um 2012 de muita luz, paz e poesia!
    Um abraço!

    • Oi, Sônia.
      Também adorei, aliás, todos que participaram foram muito gentis e fizeram com que a literatura infantojuvenil ficasse com o gostinho de quero mais. Eu é que agradeço e fico honrada.
      Abraços Dobrados e obrigada pela amizade.
      O Nelson manda um abraço.
      Tereza

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s