Achado: dicas de um freela profissional

[ Adorei as dicas! Servem para todo e qualquer freelancer: designer, ilustrador, escritor… Enfim, espero que gostem! Encontrei as dicas na Revista LEAF]

Dicas de um freela profissional, ex-gerente de projeto, por  Mônica Fuchs. Uma das boas coisas da internet é fazer com que pessoas que nunca teriam a oportunidade de se encontrar, se conheçam. Fiz muitos amigos virtuais nas várias comunidades que participei e ainda participo. Uma dessas pessoas foi o meu amigo Lino Diniz, da Paraíba. Ele sempre tinha palavras e textos interessantes para compartilhar. Nunca mais tive contato com o meu amigo Lino, mas, revirando os meus arquivos de mensagens antigas, encontrei essas dicas muito interessantes. Elas foram feitas por um ex-gerente de projetos que mudou de vida, e resolveu ser um profissional freelancer. Ilustradores e designers quase sempre são seres introvertidos e sensíveis, e muitas vezes encontram dificuldades na hora de cobrar ou de se relacionar com os seus clientes. Vale a pena então, ver como profissionais de outras áreas trabalham com essa questão.

Vamos às dicas:

1. O valor que você cobra para os seus serviços é diretamente proporcional à firmeza do seu papo na hora de negociar. Quanto mais segurança na sua proposta, mais chance dela ser aceita sem regateios.

Se você achar que o cliente é pão-duro, adicione um pouco a mais no orçamento para negociar até o valor que você acha justo. Aliás, você deve sempre ter uma contra-proposta na manga. Não tem coisa pior do que começar um freela já p da vida porque ficou barato.

2. Não entre naquele papo de depois a gente acerta. Depois você não vai acertar nada porque o cliente vai te enrolar. Bote o acerto por escrito com discriminação de valores, datas de pagamento e forma de pagamento. Assim, você nunca cai no disse-não-disse e acaba levando um cano.

3. 50% de entrada, sempre. Se o cliente muda o jogo no meio do projeto ou desiste de você, pelo menos você já ganhou algum. E mais importante, você passa para o cliente que você não é nenhum otário que trabalha de graça.

4. Não tenha medo de cobrar o extra, se você tiver que trabalhar mais do que o previsto. Acordo é acordo. A maioria das pessoas que conheço sai no prejuízo porque tem vergonha de cobrar aquele valor adicional por causa de uma ideia que surgiu tarde no projeto e deixa o cliente enrolar com medo de macular a excelente relação até aquele ponto. Os clientes geralmente respeitam o fato de você pedir o que lhe é de direito. Mostra caráter.

5. Não cobre mais barato só porque você está com todas as contas atrasadas. O desespero de um freelancer pode ser grande às vezes, mas não vale apenas fazer concessões e dar descontos absurdos para apagar um incêndio. Isso acaba queimando o teu filme, e no final, você acaba tendo de pagar do próprio bolso pelo prejuízo.

6. Não cobre muito mais barato só para desbancar a concorrência, e nunca cobre abaixo da tabela do sindicato. Isso abaixa a média do mercado e acaba sendo prejudicial para você no futuro.

7. Se você conseguir prever que vai fazer mais de um trabalho com o mesmo cliente, pense bem na hora de cobrar o primeiro trabalho. Todos os trabalhos subsequentes serão baseados no preço que você deu para o primeiro. Se cobrou barato no primeiro, vai sair no prejuízo no segundo e assim por diante. Se o cliente te recomendar para outro cliente por causa do teu preço baixo, você dançou, vai ter que cobrar mais baixo sempre.

8. Não gaste todo o dinheiro que ganha. Assim que entrar os primeiros 50%, resolva os pepinos e já garanta as contas do mês seguinte. Assim você não vai se desesperar e ser refém dos ítens 5, 6 e 7.

9. Inversamente, não cobre muito mais caro só porque está precisando. Isso não só não vai te dar o job (cliente sabe quando você está enrolando ele), como vai ter fama de careiro e ganancioso no mercado. (Mas se colar, colou. E isso só com cliente tipo papai noel, que aparece umas duas vezes na sua carreira, fora isso, todos os clientes sempre pedem para baixar ou correm para o mais barato).

10. Se você não tiver muito campo de manobra na hora de fazer o seu preço, pergunte quanto o cliente teria para lhe pagar, e inverta o jogo desenvolvendo um escopo condizente com aquele valor, dizendo por esse valor, eu só posso fazer tanto.

11. Nunca pergunte ao cliente o valor das propostas de seus concorrentes. Mostra insegurança e mostra que você molda o seu valor de acordo com os outros. É a maior pagação de mico.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s