Dia da Imigração Japonesa

Para o Dia da Imigração Japonesa. Para relembrar o meu autorretrato, exercício feito no Curso de Criação Literária da PUC/2014. Abraços Dobrados e Mãos e Mente em Movimento.

Poema 2014

Para relembrar. Fotos dos meus pais (Yamashita) e dos meus avós maternos (Kitamura). Fotos do Museu da Imigração – JICA, quando fui ao Japão.

Mil Tsurus finalizados!

Bombom dia! Viva… Terminei antes, em oito dias (dias de “meditação”), os 1000 Tsurus. A meta eram 10 dias, rs. Eles foram origamados pra uma pessoa muito especial e dedicada! Depois será doado pra um lugar muito muito especial também.

E que os mil tsurus possam ajudar a realizar os seus lindos sonhos. Mas o mais importante é a mensagem que estes mil tsurus representam: perseverança, esforço e paciência. Acredito que nada se constrói sem esforço, dedicação e objetividade, para que um desejo seja realizado. Dessa vez os papéis utilizados foram trazidos do Japão.

Abraços Dobrados Agradecidos com os Semba Tsurus e pela Vivência.

Meta: 9 mil exemplares do “Mãos Mágicas!

Bombom dia! 
Campanha: Ajude a autora a alcançar os 9 mil exemplares e continuar a divulgar a milenar arte do origami.
Se eu conseguir vender os 1.400 exemplares (segundo o demonstrativo de direitos autorais) que ainda estão em estoque, eu baterei a meta de 9 mil exemplares vendidos, e assim, talvez, a editora faça uma nova edição!

Desde 2015, quando lancei o livro, eu já ralei muito, rs. Divulgando e facilitando workshops pra divulgar o meu livro “Mãos Mágicas”, com as lindas ilustrações da Suppa, pela SESI-SP – Editora. A obra ganhou o 2° lugar no Prêmio Jabuti 2016 na categoria Infantil Digital.

Essa minha tiragem nem chega perto dos autores conceituados, segundo a Câmara Brasileira do Livro. Um título que vende um total de 15 mil exemplares, aqui no Brasil (não apenas em uma semana, como os internacionais) pode ser considerado um best seller.

Mas pra uma autora com poucos anos de carreira, como eu, o total das 4 impressões (em 4 anos) de nove mil exemplares foi muito bom. Viva! Só tenho que agradecer. Então, se você puder, ajude a autora a atingir os 9 mil exemplares vendidos, para que o livro venha a ser reimpresso novamente. Principalmente agora, com os cortes na educação, na cultura e o fechamento de várias editoras e livrarias.

Como me ajudar, rs:
1. Você pode adquirir um exemplar, ele só custa R$ 26 reais! Como os economistas costumam fazer as contas, num mês seria menos de um real ao dia!, kkk.

No site da Editora: https://www.sesispeditora.com.br/produto/maos-magicas/

2. Você também pode indicá-lo para professores e coordenadores pedagógicos, para que eles adotarem o livro em escolas.
3. Ou simplesmente contribuir compartilhando esse post para viralizar nas redes sociais, rs.

Abraços Dobrados Agradecidos para todos que já adquiriram o livro e Mãos e Mente em Movimento e Ganbatte!
“Que o tsuru (grou), símbolo da Paz e da Longevidade, acompanhe vocês em todos os momentos!”

Sinopse: “A milenar arte japonesa de dobrar papel, que encanta crianças e adultos, serviu de inspiração para Tereza Yamashita fazer de um quadrado de papel a protagonista desta divertida história. A aventureira Quadradinha de papel sai em uma viagem de autoconhecimento em busca de seu irmão desaparecido. Suppa foi a responsável por dar vida a uma menina de cores fortes em “Mãos Mágicas”. A autora, uma apaixonada e divulgadora desta arte, conta que com o origami é possível transformar um simples quadrado de papel em mil coisas, como animais, flores e até objetos do dia a dia.”

A importância do origami nas artes e na vida, clique aqui!

Declare o seu amor pelos livros!

Declare o seu amor pelos livros e pela leitura logo na primeira infância.
Abraços Dobrados e Mãos e Mente em Movimento com livros vivos, achados supimpas, aventuras perdidas, sustos do balacobaco, viagens desbundantes, histórias noturnas, risos irresistíveis, corre-corres destrambelhados, palavras mágicas, tudo isso e muito mais. E não deixe de bisbilhotar o meu blogue: Abraços Dobrados!

Livros supimpas, rs!

“A importânica de Viver”, Lin Yutang.

Hoje é dia dos namorados, dos amantes, dos sonhadores… das poetisas. Pra relembrar esse post e esse poema, da senhora Kuan, que marcou a minha adolescência.

“Há entre nós ambos
demasiada emoção.
Tal é o motivo
do que tem havido!
Toma um bocado de argila,
Molha-a, amolda-a
E faze uma imagem minha
E uma imagem tua.
Toma-as então, rompe-as
e adiciona-lhes um pouco d’água.
Transforma-as de novo
em uma imagem tua
e uma imagem minha.
E então haverá na minha argila alguma coisa tua
e na tua argila alguma coisa minha.
E jamais coisa alguma nos há de separar.
Vivos, dormiremos na mesma cama,
e, mortos, na mesma sepultura.”

Poema retirado lo livro “A importânica de Viver”, Lin Yutang.

Não me lembro quando… Certo dia fui convidada para um evento do FB, de um escritor e designer do círculo de amigos de artes. Lá, ele postou uma curiosidade sobre outro escritor, Oswald de Andrade e sua Garçonnière. Então saiu essa crônica, rs. Fico indignada com o machismo (principalmente o oriental) ou qualquer outra forma que subjugue o ser humano, principalmente a mulher… enfim.
Quando eu era criança, com uns sete anos, o meu irmão mais velho (dez anos de diferença) convenceu o meu pai a fazer parte do Círculo do Livro. Era uma briga, éramos três irmãos (hoje, infelizmente, a vida nos separou), então quem escolheria o precioso livro? Como seria apenas um exemplar por mês, eu não tinha muita chance, pois nem sabia escolher direito, e nem sabia ler direito também… Como todos sabem, na tradicional família japonesa o homem imperava…
Sendo assim, eu tentava ler os livros que meu pai ou meu irmão mais velho escolhiam. E um dos títulos foi esse A importância de viver, de Lin Yutang, traduzido pelo Mário Quintana, que meu maridão procurou pra mim na Estante Virtual, e me presenteou. Arigatou!
Na época, claro, tentei ler e não entendi nada, mas um poema não saiu da minha cabeça, só lembrava da ideia principal, que me comoveu! E no dia em que eu facilitei a oficina Palavra na lavra do barro, e quando a Tamara contou a história da criação do homem através do barro, bateu em mim um déjà-vu e me lembrei novamente do poema acima. Hoje, relendo o livro, achei-o mais bonito ainda, pois havia uma história por detrás do poema.

bsrro2


A autora foi a esposa e artista (não reconhecida) senhora Kuan (esposa de um grande pintor da china, Yuan Chao Mengfu). Ela escreveu o belo poema quando o marido estava prestes a tomar outra amante. De acordo com a história, esse poema penetrou no coração do marido, senhor Yuan, mudando sua intenção.
Não foi linda a maneira criativa e poética com que a mulher sacudiu o coração do marido? Espero ter a mesma sabedoria, pra quando o meu parceiro estiver pensando em se saciar com outras literaturas, hahaha.

Abraços Dobrados com Poesia e Arte.